login
Primeiro acesso? Clique aqui

Este site foi desenvolvido com tecnologias avançadas para
lhe proporcionar uma experiência incrível.
Infelizmente, este navegador não é suportado

Sugerimos que você use o
Google Chrome para melhores resultados.

Dia Mundial Sem Tabaco

‘Dia Mundial Sem Tabaco’ alerta para pandemia

Contad-AMMG reforça os riscos para fumantes que contraem Covid-19

 

A Comissão de Controle do Tabagismo, Alcoolismo e Uso de Outras Drogas da Associação Médica de Minas Gerais (Contad AMMG) alerta a população sobre os riscos para a saúde de quem fuma e contrai Covid-19. O ‘Dia Mundial Sem Tabaco’, celebrado em 31 de maio, traz o tema ‘Comprometa-se a parar de fumar durante a pandemia’. A pneumologista e presidente da Contad-AMMG, Maria das Graças Rodrigues, explica que, desde o início da pandemia causada pelo Sars-CoV-2, diversos estudos têm demonstrado que fumantes de qualquer produto derivado do tabaco têm chance duas a três vezes maior de desenvolver a Covid-19 em suas formas mais graves.

 

O tabagismo é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a maior causa evitável de doença e morte no mundo. Anualmente, morrem cerca de oito milhões de pessoas, sendo que mais de sete milhões são fumantes ativos e 1,2 milhão são fumantes passivos. No Brasil, há cerca de 156 mil mortes anuais (428 mortes por dia). Os produtos do tabaco são consumidos de diversas formas (fumado, inalado, aspirado, mascado ou absorvido pela mucosa oral). No Brasil, predomina o uso do tabaco fumado. Todos os produtos contêm aproximadamente sete mil substâncias tóxicas – entre elas a nicotina, droga psicoativa que causa dependência química – e são responsáveis direta ou indiretamente por cerca de 55 doenças.

 

De acordo com Rodrigues, a doença pode culminar com a morte do fumante infectado, pela possibilidade de apresentar redução da capacidade pulmonar, alterações ou mesmo doenças pulmonares crônicas já instaladas, doenças cardiovasculares, diabetes e câncer, todas essas relacionadas ao tabagismo. Segundo ela, o fumo aumenta o risco de infecções causadas por bactérias, vírus e fungos, pois altera a estrutura do sistema respiratório, causa inflamação, promove a elevação da ECA2 – a enzima que se comporta como receptor do novo coronavírus – e reduz a resposta local de defesa do sistema respiratório, bem como das células que compõem o sistema imunológico do organismo (resposta imune).

 

“Os tabagistas apresentam baixa oxigenação dos tecidos, alterações dos vasos sanguíneos e um estado de hipercoagulação, que os predispõem à trombose, o que pode ocorrer também na Covid-19. O ato de fumar pode favorecer a transmissão dessa doença, através dos movimentos repetidos mão-boca, sem a adequada higienização das mãos e com cigarros contaminados, bem como por meio da eliminação de aerossóis no ambiente, o que ocorre com os cigarros eletrônicos, cigarros de tabaco aquecido e narguilés”, destaca a pneumologista. Ela esclarece que, nestes últimos, há também aumento do risco de transmissão da doença pelo compartilhamento de piteiras e mangueiras e pela preparação e limpeza inadequadas do dispositivo e seus acessórios.

 

Ações contra o tabagismo

 

A OMS listou 103 razões para parar de fumar, como forma de mobilizar, motivar, sensibilizar e encorajar os tabagistas a deixarem o fumo e está lançando uma campanha de um ano para ajudar 100 milhões de fumantes a pararem de fumar. São previstas ações de fortalecimento e ampliação do acesso aos serviços de cessação, aumento da conscientização sobre as táticas da indústria do tabaco e empoderamento dos fumantes para conseguirem vencer o tabagismo, através da criação de comunidades digitais, onde as pessoas podem encontrar o apoio social de que precisam para parar de fumar.

 

No Brasil, o tema do Dia Mundial sem Tabaco é divulgado pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) para alertar a população sobre o uso de produtos fumígenos como fator de risco para a transmissão do coronavírus e para o desenvolvimento de formas mais graves de Covid-19, incentivando os fumantes a pararem de fumar e também desestimulando a iniciação no consumo de produtos do tabaco por crianças, jovens e adolescentes.

 

Nas situações de dificuldade de comparecimento dos usuários para o tratamento presencial nas unidades de saúde, em consequência da pandemia, será recomendado o tratamento dos fumantes à distância. Por meio de parceria entre a Organização Panamericana de Saúde (Opas), o Inca e a Associação Médica Brasileira (AMB), foram elaborados nove vídeos de aconselhamento para a cessação do tabagismo e a prevenção de recaídas, que serão amplamente divulgados para a população. O material pode ser acessado no site www.inca.gov.br.