login
Primeiro acesso? Clique aqui

Este site foi desenvolvido com tecnologias avançadas para
lhe proporcionar uma experiência incrível.
Infelizmente, este navegador não é suportado

Sugerimos que você use o
Google Chrome para melhores resultados.

Saúde na América Latina

25 de novembro de 2016
Países da Confemel discutem Política de Saúde na América Latina
Brasil, Bolívia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Peru e Venezuela foram alguns dos países que contribuíram, como oradores ou debatedores, da mesa-redonda sobre “Política de Saúde na América Latina”. As discussões e deliberações sobre o tema foram um dos destaques da Assembleia Geral Ordinária da Confederação Médica Latino-Ibero-Americana e do Caribe (Confemel), que teve início nesta quarta-feira (23), em Brasília (DF). O presidente da AMMG, Lincoln Lopes Ferreira, representando a AMB, presidiu a conferência sobre a Crise Humanitária na Venezuela, proferida por Douglas Naterra, da Confemel. O evento acontece até hoje.
Para o médico costa-riquenho Alexis Castillo, a mudança no perfil epidemiológico e demográfico na região – e em todo o mundo –, com a queda na taxa de fecundidade e aumento da expectativa de vida, representa um dos principais desafios da atualidade. “O aumento das doenças crônico-degenerativas, senis e mentais exigirão mais dos nossos sistemas de saúde”, destaca Castillo, que é professor da Universidad de Costa Rica e atua nas principais instituições médicas de seu país.
Entre os principais desafios apontados por ele e pelos representantes dos demais países-membros da Confemel, estão a inequidade de acesso aos serviços de saúde, a gestão ineficiente e o déficit crônico de recursos. O grupo discutiu questões comuns e peculiaridades locais como as cinzas dos vulcões na Costa Rica como fator desencadeante de problemas de saúde, e o benefício conhecido como “escalafón” em El Salvador, conforme relatou Juan Antonio Tobar. Entre as questões partilhadas, estão a corrupção, o financiamento da saúde e avaliação crítica da atuação de órgãos internacionais como Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), entre outros temas que serão aprofundados durante o evento.
Saúde mental – “Cerca de 25% da população sofre algum tipo de transtorno mental, mas a grande maioria não tem acesso a tratamentos e medicamentos de qualidade”. Com essa observação, o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Antônio Geraldo, chamou a atenção dos participantes da Confemel para a o problema da saúde mental na América Latina. A palestra foi presidida pelos representantes da Costa Rica, Karim Rojas Herrera, e do Peru, Miguel Palacios Celi.
Durante sua fala, Antônio Geraldo apresentou um panorama das políticas de saúde mental em países da América e criticou os baixos investimentos. De acordo com ele, em 2004, 6,3% do orçamento de Saúde no Brasil era destinado para saúde mental; hoje, doze anos depois, corresponde a 1,8%. Os valores são menores do que países como o México (2%), Costa Rica (2,9%) e Panamá (2,9%), enquanto o preconizado pela OMS é de 5 a 15%.
Segundo Geraldo, atualmente, as políticas públicas de saúde mental brasileiras são orientadas para ignorar os conhecimentos técnicos e as evidências científicas e convencer pacientes de que eles não precisam de tratamento. “Há a intenção de transferir dos médicos a atribuição de curar os pacientes, além de responsabilizar as famílias e o próprio doente”, disse o psiquiatra, que defendeu ainda um sistema ambulatorial para prevenção e tratamento, além de uma desmitificação da doença mental por parte da população e até dos médicos.
 Fonte: CFM