login
Primeiro acesso? Clique aqui

Este site foi desenvolvido com tecnologias avançadas para
lhe proporcionar uma experiência incrível.
Infelizmente, este navegador não é suportado

Sugerimos que você use o
Google Chrome para melhores resultados.

Otto Cirne abriga ‘Flores e folhagens’

3 de junho de 2016

Otto Cirne abriga ‘Flores e folhagens’

[caption id="attachment_746" align="alignleft" width="300"]Sandra Façanha Sandra Façanha[/caption]

O Espaço Cultural Otto Cirne recebe, durante o mês de junho, a mostra ‘Flores e folhagens’. A pintora Sandra Façanha apresenta obras produzidas na técnica óleo sobre tela. Segundo ela, natureza morta caracteriza esse seu mais recente trabalho.

Nascida no Amapá, revela que começou a se interessar pela pintura ainda na infância. “Minha mãe era professora de artes em minha terra natal e pintava em cerâmica. Isto me encantava. Então, comecei a esboçar desenhos, e depois a pintar.”

Há mais de 30 anos em Belo Horizonte, Sandra Façanha, conta que ao mudar de cidade para se casar, acabou deixando a arte em segundo plano. No entanto, revela ter ensinado as filhas a falar por meio de desenhos, fazendo com que elas repetissem os nomes das figuras. “Desenhava temas ligados à natureza e imagens como pés, mãos, corações, no intuito de ensinar minhas filhas a falar.”

O início na pintura aconteceu de forma autodidata. Contudo, no decorrer da última década, fez alguns importantes cursos, dentre eles, o de desenho da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais. “Na minha formação, tive a oportunidade de estudar com os artistas e professores Beth Lírio e Euclides Bottaro.”

Sobre estilo, prefere dizer que é impressionista: “Procuro me colocar o mais próximo possível do objeto que vou expor na tela. Por exemplo, uma margarida será sempre uma margarida, mas crio novas cores dando o ar impressionista”. Sua inspiração são as flores que ela considera lindas e desejava esboçar em seu trabalho.

Dentre os vários artistas que admira, está o artista plástico de Niterói (RJ), Antônio Parreiras (1860-1937). “Em BH, seu trabalho pode ser admirado em um dos salões do Palácio da Liberdade.” Sandra Façanha conta que a pintura a deixa feliz e animada, assim como a reação das pessoas ao verem as suas telas. “Fico feliz e com a cabeça ereta diante de um cavalete”, explica.

As obras da artista, que já expos na Associação Médica de Minas Gerais em 2011, serão comercializadas e ficam até o final deste mês. O Espaço Cultural Otto Cirne está localizado no hall de entrada da AMMG e é destinado à exposição de obras de arte de autoria de associados e seus dependentes. Médicos não-associados e artistas não-médicos podem utilizar o espaço, dependendo da disponibilidade na agenda. Interessados devem entrar em contato com Mariana, na Assessoria de Comunicação da AMMG, através do telefone (31) 3247 1608 ou e-mail comunicacao@ammg.org.br.

X