login
Primeiro acesso? Clique aqui

Este site foi desenvolvido com tecnologias avançadas para
lhe proporcionar uma experiência incrível.
Infelizmente, este navegador não é suportado

Sugerimos que você use o
Google Chrome para melhores resultados.

Julho Amarelo na AMMG

4 de julho de 2019

Julho Amarelo: mês de conscientização das hepatites virais

Associação Médica de Minas Gerais ilumina sua sede de amarelo e Sociedade Mineira de Infectologia faz um alerta sobre a doença

Julho é o mês de conscientização sobre as Hepatites Virais.

A Associação Médica de Minas Gerais (AMMG) ilumina sua sede de amarelo e junto à Sociedade Mineira de Infectologia (SMI), conscientizam sobre a prevenção e o controle da doença.

A data é comemorada no dia 28 de julho, instituída pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

De acordo com Estevão Urbano, presidente da SMI, se faz necessário enfatizar a importância do aumento da cobertura vacinal.

Essa ação, portanto, tem como objetivo reduzir a transmissão das hepatites A e B e ações para o tratamento da população portadora das hepatites B e C, as quais podem se cronificar.

Segundo o Ministério da Saúde (MS), milhões de pessoas no Brasil são portadoras silenciosas dos vírus das hepatites B e C, correndo o risco de evoluírem para a doença crônica.

As consequências mais graves são, portanto, a cirrose e/ou câncer hepático.

Registro no Brasil

O país registrou 40.198 casos novos de hepatites virais, em 2018.

O último Boletim Epidemiológico informa que os casos da doença são maiores em homens na faixa etária de 20 a 39 anos.

Doença silenciosa

Urbano explica que a hepatite é um tipo de inflamação que afeta o fígado, comprometendo seu funcionamento.

Ele explica, por exemplo, que “nem sempre apresenta sintomas, porém os mais comuns são olhos e pele amarelados, cansaço, febre, mal-estar, tontura, vômitos, dor abdominal, urina escura e fezes claras".

Os vírus mais comuns são os dos tipos A, B e C”, explica o infectologista.

A vacina é a principal forma de prevenção contra as hepatites do tipo A e B.

Ela está disponível gratuitamente no SUS. Para os demais tipos de vírus, no entanto, não há vacina.

O tratamento, que na maioria das vezes será curativo, deverá ser indicado pelo médico.

Controle

Além da vacinação contra a Hepatite B, as principais medidas de controle das hepatites virais que se transmitem por via sanguínea e sexual (B e C) se constituem:

  • Adoção de medidas de prevenção como o incentivo ao uso do preservativo nas parcerias sexuais;
  • Não compartilhamento de objetos contaminados como lâminas e seringas.