login
Primeiro acesso? Clique aqui

Este site foi desenvolvido com tecnologias avançadas para
lhe proporcionar uma experiência incrível.
Infelizmente, este navegador não é suportado

Sugerimos que você use o
Google Chrome para melhores resultados.

‘Janeiro Verde’ na AMMG

6 de janeiro de 2020

Câncer de colo de útero

O ano começa com diversas campanhas na área da saúde. Dentre elas o ‘Janeiro Verde’ que chama a atenção para o câncer de colo de útero, o terceiro tumor mais frequente no público feminino, perdendo somente para o câncer de mama e o colorretal.

A Associação Médica de Minas Gerais (AMMG), durante a primeira quinzena do mês, ilumina sua sede de verde para lembrar as mulheres da importância de se informar e buscar tratamento adequado em caso de diagnóstico positivo para a doença.

A enfermidade é a quarta em número de mortes, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca). O número de mortes é bem menor em comparação com o dos anos 90, mas mesmo assim é muito alto.

A expectativa é que 15 mil novos casos sejam diagnosticados neste ano e que 5 mil pessoas morram com a doença.

Opinião

De acordo com a obstetra e ginecologista da Sogimig, Adriana Lucena, o câncer de colo de útero é um dos poucos totalmente passíveis de prevenção.

“Quando diagnosticado em suas formas precursoras, as chamadas neoplasias intraepitelias cervicais (NIC), tem chance de cura estimada em praticamente 100%."

"Para isso, basta que as mulheres com vida sexual ativa procurem o ginecologista e realizem o exame citopatológico do colo uterino, mais conhecido como exame de Papanicolau”, afirma a médica.

Vacina

A vacina contra o HPV é um avanço na prevenção do câncer de colo de útero. Ela é gratuita para meninas de 11 a 13 anos.

“O fator imunológico interfere diretamente na evolução das lesões pré-neoplásicas e no câncer propriamente dito.

Prova disso é o fato das pacientes soropositivas para o HIV, que têm o estado imunológico comprometido, possuírem maior incidência e prevalência dessas lesões e pior evolução.

Os fatores como alimentação, exercícios físicos e estresse podem interferir indiretamente nesses casos, já que se relacionam, intimamente, com o sistema de defesa do organismo”, completa a especialista.

Com informações de http://www.sogimig.com.br