login
Primeiro acesso? Clique aqui

Este site foi desenvolvido com tecnologias avançadas para
lhe proporcionar uma experiência incrível.
Infelizmente, este navegador não é suportado

Sugerimos que você use o
Google Chrome para melhores resultados.

Estúdio debate bullying

19 de março de 2020

Estúdio debate bullying

‘Bullying não é brincadeira’ foi o tema da edição de 18 de março do Estúdio AMMG, transmitido via Facebook, Workplace e YouTube da Associação Médica de Minas Gerais. Entrevistadas, respectivamente, pelos diretores científico e adjunta da entidade, Agnaldo Lima e Luciana Costa, a secretária do Departamento de Psiquiatria Infantil da Associação Brasileira de Psiquiatria, a médica Ana Christina Mageste Castelar Campos, e a psicopedagoga Jane Patrícia Haddad explicaram como combater e as possíveis consequências do bullying.

No mundo, 150 milhões de adolescentes sofrem bullying nas escolas, de acordo com o relatório da Unicef. Este foi um dos pontos debatidos pelas especialistas que relataram a escola como um dos locais onde o bullying mais acontece. Haddad afirma que algumas crianças e adolescentes sequer conseguem contar aos pais e quando conseguem estes precisam procurar a instituição para devidas providências. A psiquiatra infantil revela que há casos em que a família prefere retirar a criança da escola a enfrentar o problema, quando na realidade o que deve ser feito é ensinar ao filho a enfrentar e passar aos professores a parcela de responsabilidade.

Cyberbullying

Entre outra vertente do bullying, há o cyberbullying. De acordo com as convidadas, este é ainda mais perigoso e pode gerar traumas. “Na Internet tudo começa com uma conversa e aos poucos a pessoa do outro lado convence, por exemplo, uma menina a enviar fotos, e depois a chantageia dizendo que irá mostrar aos pais e aos colegas de sala. Pense em uma história dessas acontecendo com uma aluna de colégio de ensino religioso?”, questiona a psicopedagoga. Já a médica afirma que a ação, além de criminosa, pode levar a fins trágicos como suicídio.

Ambas refletiram que a sociedade precisa estar atenta aos seus filhos, às crianças e adolescentes à sua volta. Prestar atenção no comportamento em casa, e, do outro lado, professores podem colaborar acompanhando o desenvolvimento em sala de aula e a relação com os colegas de classe.

O Estúdio AMMG é uma promoção da diretoria científica da Associação Médica. O vídeo dessa última edição ainda pode ser assistido pelo Facebook, Workplace e YouTube da AMMG.