login
Primeiro acesso? Clique aqui

Este site foi desenvolvido com tecnologias avançadas para
lhe proporcionar uma experiência incrível.
Infelizmente, este navegador não é suportado

Sugerimos que você use o
Google Chrome para melhores resultados.

CBO alerta sobre blefarite

Conselho Brasileiro de Oftalmologia alerta sobre blefarite

Você já ouviu falar de blefarite? O nome pode parecer estranho, mas vem do grego "blepharon" e significa pálpebra. Portanto, algumas doenças que afetam a região palpebral podem ter o termo na "blefaro" em sua composição.

Segundo Tatiana Nahas, oftalmologista, especialista em cirurgia de pálpebras e Chefe do Serviço de Plástica Ocular da Santa Casa de São Paulo, a blefarite é uma inflamação crônica que afeta as margens das pálpebras.

"Não tem cura, mas pode ser tratada e controlada. Os principais sintomas são inchaço, coceira e acúmulo de secreção, que acaba grudando as pálpebras inferiores nas superiores. A blefarite costuma se agravar nos dias mais quentes, pois o calor aumenta a produção de substâncias oleosas pelas glândulas sebáceas", explica Tatiana.

Processo inflamatório crônico

A blefarite é causada por uma inflamação crônica que altera a secreção das glândulas de Meibômio. Essas glândulas produzem uma espécie de substância gordurosa, que ajuda na lubrificação dos olhos. "Essa alteração na produção e na secreção desta substância lipídica leva aos sintomas da blefarite. Os mais comuns são edema palpebral, coceira, vermelhidão, ardência e sensibilidade à luz. Com o tempo, o paciente pode perder os cílios e desenvolver crostas nas bordas das pálpebras, que dificultam o movimento de abrir e fechar os olhos", ressalta a especialista.

Dermatite seborreica agrava quadro no verão

"Em muitos casos, a blefarite está associada a outras doenças, como a dermatite seborreica. O calor aumenta a produção de substâncias oleosas, o que pode piorar os quadros de blefarite associados à esta condição", comenta a oftalmologista. Pessoas com rosácea, alergias, calázio, olho seco, ceratite, conjuntivite, entrópio e ectrópio têm um risco aumentado de desenvolver a blefarite.

Como prevenir a piora da blefarite nos dias mais quentes

De acordo com Tatiana, a principal medida para prevenir o agravamento dos sintomas da blefarite no verão é redobrar a atenção com a higiene das pálpebras. "Para quem tem o diagnóstico da blefarite, a limpeza palpebral deve se tornar um hábito tão comum quanto escovar os dentes. Isso quer dizer é preciso limpar todos os dias e, em alguns casos, mais de uma vez por dia", reforça a médica.

Além de intensificar a higiene das pálpebras, quem tem blefarite deve escolher protetores solares faciais ou aqueles específicos para a região palpebral, assim como usar óculos de sol, bonés ou chapéus para proteger a área dos raios solares.

Higiene das pálpebras em 3 passos 

1 - Aquecimento das pálpebras: Como as secreções ficam endurecidas, é preciso aquecer para desgrudar e não machucar a pele. O ideal é fazer uma compressa com água morna e deixar de 3 a 5 minutos em cada olho.

2 - Massagem: Depois, é preciso fazer uma massagem sútil de fora para dentro para eliminar a secreção acumulada.

3 - Limpeza das pálpebras e dos cílios: O médico pode indicar um produto específico para essa etapa, ou você pode usar shampoo neutro infantil diluído em água. Com a ponta dos dedos, limpe as pálpebras e os cílios. Massageie suavemente

Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia

Crédito:seb_ra