login
Primeiro acesso? Clique aqui

Este site foi desenvolvido com tecnologias avançadas para
lhe proporcionar uma experiência incrível.
Infelizmente, este navegador não é suportado

Sugerimos que você use o
Google Chrome para melhores resultados.

Assista ao AMMG Cultural

18 de dezembro de 2020

Cuidados mentais em tempo de crise

O último AMMG Cultural com gosto de parceria e muitas reflexões. Essa foi a proposta da live feita pela Associação Médica de Minas Gerais e a Associação Médica de Itabira (AMI), com o tema: ´Cuidados mentais em tempos de crise’. A Diretora de promoções culturais e responsabilidade social, Walnéia Almeida recebeu a presidente da AMI, Janice Bellavinha, o psiquiatra, Daniel Mendonça Barra e a médica do trabalho, Letícia Garios.

Para a presidente da filiada de Itabira, os encontros online são uma forma de agradecimento aos colegas e uma maneira de contribuir para a população em geral, em tempos difíceis e de grandes incertezas.

Walnéia Almeida falou sobre a importância das atividades em conjunto, somando forças e pensamentos que vão além do trabalho do associativismo e científico das entidades. “O encontro propôs uma reflexão das relações pessoais, no trabalho e em família. Como lidar com as chefias, colegas e se é possível de fato separar o profissional do pessoal. E com a pandemia como ficaram essas relações dentro dos aspectos sociais, psíquicos e financeiros?”

De acordo com a diretora da AMMG é preciso um olhar para todos e as suas particularidades, pois nem todos vivem a mesma realidade de vida, ficando assim a capacidade de absorver ou lidar com as dificuldades de formas diferentes. “No dicionário a palavra crise remete desgosto, aflição e amargura. Na verdade são palavras de conotação negativa, mas sentimento que muitos estão vivendo neste momento. O distanciamento, sobretudo no fim do ano, tem de fato trazendo grande sofrimento”.

A médica do trabalho, Letícia Garios lembrou que a vida antes da pandemia era dos prazeres de fora da casa. “Essa não é primeira vez que a humanidade passa por uma pandemia. Já houve, por exemplo, a gripe espanhola. Mas agora vivemos um mundo moderno. A situação não é a ideal. Pesquisas apontaram um número crescente nos quadros de ansiedade, sobretudo entre as mulheres. E então passamos a conviver mais dentro de casa, com a família e então os estresses se evidenciaram.”

Barra acredita que ao sair de um momento de crise, a tendência é o ser humano se tornar alguém melhor. “O novo normal já não é tão novo assim. Já nos adaptamos a ele. Na crise precisamos ter uma necessidade de adaptação rápida, sem tempo de transição. E a pandemia afetou a todos, de maneira peculiares. E o que difere o estresse de cada um é a capacidade de enfrentar os problemas e os desafios. Tivemos nosso lazer e nossa válvulas de escape tiradas de nós.”

Para o psiquiatra é importante saber que as emoções afloram e é preciso buscar ajuda sempre, sendo possível buscar alternativas até mesmo no Sistema Único de Saúde.

Perdeu este encontro? Assista em nosso canal do YouTube: www.youtube.com/watch?v=kRHgYxoYE_8